Iraque: Ataques com carros-bomba matam 55 pessoas

Uma série de atentados com carros-bomba atingiu vários bairros em Bagdá nesta segunda-feira, deixando pelo menos 55 mortos e mais de 160 de feridos, informaram autoridades locais. O Ministério de Relações Exteriores do Iraque culpou rebeldes ligados à Al-Qaeda pelos atentados e disse que os insurgentes estão explorando as disputas políticas e as deficiências de segurança para realizar os ataques.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2013 | 16h05

O incidente mais sangrento desta segunda-feira ocorreu no distrito xiita de Cidade Sadr, onde um carro-bomba foi acionado em um pequeno mercado de vegetais, matando sete pessoas e ferindo 16, disse um policial.

A explosão foi seguida por um total de dez ataques com carros-bomba, que atingiram em uma rápida sequência os bairros xiitas de Nova Bagdá, Habibiya, Sabaa al-Bour, Kazimiyah, Shaab, Ur, Shula, assim como os bairros sunitas de Jamiaa e Ghazaliyah.

Os dez ataques também ocorreram em mercados ao ar livre ou estacionamentos, matando 44 pessoas e ferindo outras 139, de acordo com outros policiais.

À noite, a explosão de um bomba em frente a uma mesquita sunita em Dora, na zona sul de Bagdá, deixou quatro mortos e 14 feridos.

Autoridades médicas confirmaram os números de mortos nos ataques desta segunda-feira. Todos os funcionários falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a passar informações para a imprensa.

Nenhum grupo reivindicou imediatamente a responsabilidade pela série de atentados, que tinha características do braço local da Al-Qaeda no Iraque, conhecido como o Estado Islâmico do Iraque. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.