Iraque cobra participação de França e Alemanha em treinamentos

O vice-chanceler iraquiano, Hamid al-Bayati, dirigiu novo apelo à França e à Alemanha para que participem da campanha de treinamento de forças de segurança iraquianas. Tanto Paris quanto Berlim se comprometeram a participar de um programa de treinamento durante a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), encerrada na terça-feira, em Istambul, na Turquia, mas com uma ressalva: desde que a tarefa não seja levada a cabo em território iraquiano.França e Alemanha condenaram a ocupação do Iraque pelas tropas anglo-americanas e não mantêm unidades militares naquela país. Atualmente, há no Iraque 160 mil soldados estrangeiros - em sua grande maioria americanos. Agora, eles estão sob jurisdição do governo provisório iraquiano e com mandato do Conselho de Segurança da ONU - embora comandados pelos Estados Unidos.Hoje, o Reino de Tomba, pequeno arquipélago do Pacífico, anunciou que enviará ao Iraque 45 fuzileiros, ou seja, 10% do efetivo de sua força naval de 450 homens. Os fuzileiros de Tonga vão atuar na província iraquiana de Anbar - a que mais oferece resistência à ocupação.Também o Bahrein, país árabe do Gol Pérsico, anunciou hoje que está pronto para enviar uma unidade militar ao Iraque para participar das operações de segurança dos mananciais de água potável do país.

Agencia Estado,

03 de julho de 2004 | 14h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.