Iraque começa a discutir o federalismo

As três principais forças políticas sunitas, xiitas e curdas do Iraque começarão a discutir na próxima terça-feira um projeto de lei sobre o federalismo, informaram neste domingo fontes parlamentares.O vice-presidente do Parlamento, o xeque Khaled al-Atia, informou sobre o acordo entre os grupos políticos para lançar esse debate e disse que, caso seja aprovada, a lei será aplicada um ano e meio depois de sua promulgação.O acordo acontece após a ameaça da Frente do Consenso Iraquiano (FCI), que representa os árabes sunitas, de boicotar o Governo caso as coalizões xiita e curda do Parlamento não apliquem a cláusula 142 da Constituição, que permite a modificação de alguns de seus artigos.Entre os artigos que a cláusula permite modificar estão, precisamente, os que fazem referência ao federalismo, além daqueles que ordenam o afastamento das pessoas que pertenceram ao ex-governante Partido Baath, além da distribuição das receitas provenientes dos recursos naturais.No final de julho, Abdel Aziz al-Hakim, líder da xiita Aliança Unida Iraquiana (AUI), força política com maior representação parlamentar, insistiu na "necessidade" de criar uma região autônoma para os xiitas no sul do Iraque.Esse desejo foi duramente criticado por partidos políticos sunitas, que consideram o federalismo uma ameaça à unidade do país.O porta-voz oficial da FCI, Zafer al-Ani, ressaltou neste domingo que qualquer acordo relativo ao estabelecimento do federalismo no Iraque deverá ser aplicado nas províncias de maneira individual, e não nas regiões, como ocorre no caso do Curdistão iraquiano, que agrupa três províncias.Atia destacou ainda que os blocos políticos da Câmara também concordaram em fazer modificações na Constituição do país. Nesta segunda-feira, os deputados decidirão a formação de uma comissão que se encarregará desse assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.