Iraque decreta alerta máximo devido a possíveis ataques

O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, alertou hoje para a possibilidade de uma nova onda de atentados e pôs o país em estado de alerta máximo.

AE-AP, Agência Estado

28 de agosto de 2010 | 10h19

Segundo o premiê, a inteligência iraquiana identificou que a rede terrorista Al-Qaeda e seguidores do ex-partido governante Al-Baath, do falecido ditador Saddam Hussein, se aliaram para lançar novos ataques com o intuito de "gerar medo e caos, e matar mais inocentes".

"Nós orientamos as forças de segurança do Iraque, a polícia e o exército a ficarem em alerta máximo e tomarem medidas para evitar o sucesso destes planos criminosos", disse al-Maliki em comunicado oficial.

Horas após a divulgação do comunicado, um grupo ligado à Al-Qaeda, conhecido como Estado Islâmico do Iraque, assumiu a responsabilidade por mais de 20 atentados e tiroteios que causaram 56 mortes ao longo da última semana em todo o país.

Nos últimos meses, a violência aumentou no Iraque, coincidindo com a retirada das tropas de combate dos EUA, cuja missão será oficialmente finalizada na próxima terça-feira.

Em seu programa semanal de rádio, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reafirmou hoje sua promessa de campanha de encerrar a guerra no Iraque e direcionar esforços para o Afeganistão, hoje tido como principal fonte de ameaças à América. "O fato é este: a guerra está acabando", disse Obama. "Como qualquer nação soberana e independente, o Iraque está livre para traçar seu próprio rumo", acrescentou. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ataqueIraquealerta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.