Iraque divulga lista dos 41 mais procurados

O Iraque divulgou uma lista de mais procurados com 41 nomes neste domingo, incluindo a mulher a e filha mais velha de Saddam Hussein, assim como o novo líder da Al-Qaeda no Iraque e um dos aliados mais próximos do presidente removido. O governo também anunciou uma recompensa por uma série de nomes na lista. "Estamos divulgando essa lista para que nosso povo possa conhecer seus inimigos", disse o assessor de Segurança Nacional iraquiano, Mouwafak al-Rubaie disse em uma coletiva de imprensa. Ele acrescentou que os países em que aqueles na lista vivem e a Interpol foram informados.A maior recompensa foi de US$10 milhões por Izzat Ibrahim al-Douri, antigo oficial de auto escalão no regime de Saddam que vem escapando da captura desde a invasão liderada pelos Estados Unidos há mais de três anos. Acreditava-se que Al-Douri teve papel importante no lançamento da insurreição.O governo também ofereceu uma recompensa de US$ 50 mil por Abu Ayyub al-Masri, que substituiu o líder do braço da Al Qaeda no Iraque Abu Musab al-Zarqawi depois de sua morte em um ataque aéreo americano no norte de Bagdá em 7 de junho. O anúncio veio apenas dois dias depois que a administração dos Estados Unidos aprovou mais de US$5 milhões em troca de al-Masri, de quem o verdadeiro nome é Abu Hamza al-Muhajer."Essas pessoas estão levando a cabo bombardeios e matanças feitas de maneira impensada enquanto o seu objetivo é infligir danos ao povo do Iraque e incendiar uma guerra sectária entre xiitas e sunitas", disse al-Rubaie no anúncio da lista.A mulher do presidente deposto, Sajida Khairallah Tulfah, que acredita-se estar em Qatar, e sua filha mais velha, Raghad, que vem vivendo na Jordânia, também foram incluídas, mas nenhuma recompensa foi oferecida por informações sobre elas."Nós contactamos todos os países vizinhos e eles sabem o que queremos. Alguns desses países estão cooperando conosco", disse. "Nós vamos procurá-los dentro e fora do Iraque. Vamos perseguí-los um após o outro".O assessor de Segurança Nacional também disse que as autoridades estão se aproximando de al-Masri. "Conseguimos nos infiltrar em sua rede. Vocês saberão mais notícias nas próximas semanas", ele disse.A lista também incluiu Maan Bashour, um ativista libanês antiamericano que tinha ligações próximas com Saddam. Na lista, ele é acusado de ter recrutado combatentes no Líbano para ir ao Iraque "levar a cabo atos de terrorismo".Falando pelo telefone do Líbano, Bashour negou as alegações mas acrescentou que "acredito que dar apoio à resistência iraquiana é dever de todo árabe e cada pessoa livre no mundo. Essa é uma resistência que até mesmo os ocupantes reconhecem"."Eu gostaria de ter a habilidade financeira para contribuir e financiar essa resistência mas todos sabem, incluindo os preocupados departamentos de inteligência, que eu não tenho a habilidade para praticar esse ato honroso", disse Bashour.Segundo ele, o objetivo dessas acusações é evitar que pessoas como ele angariem apoio popular para o povo do Iraque. Al-Rubaie assinalou que a lista foi separada daquela divulgada pelo exército americano. A maioria de seus membros foi capturada ou morta."Essa é uma lista iraquiana que não tem nada a cer com a lista de 55 membros divulgada pelo governo americano", disse al-Rubaie.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.