Iraque diz que Powell mentiu

O ministro de Relações Exteriores do Iraque, Naji Sabri, acusou o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, de ter mentido ao dizer que o o governo iraquiano não tem colaborado com os inspetores da Organização das Nações Unidas. "O Iraque espera que o relatório mostre os fatos como eles são, destacando que o país está livre de armas de destruição em massa", declarou Sabri. "E espero que a ONU suspenda as sanções criminais impostas à população iraquiana", completou. A entrevista de Sabri foi dada nesta manhã em que o mundo aguarda a divulgação do relatório que o chefe dos inspetores da ONU em Bagdá, Hans Blix, e o chefe da agência nuclear, Mohamed ElBaradei, entregarão ao Conselho de Segurança. No relatório eles dirão o que suas equipes encontraram no Iraque e como foi a cooperação iraquiana ao longo dos dois meses de buscas por armas químicas, biológicas e nucleares, que estão proibidas no país desde a derrota de Bagdá na Guerra do Golfo, em 1991. Sabri observou que os inspetores da ONU, em nova visita feita ao país, entraram em 500 escritórios, abrigos, mesquitas, universidades, hospitais, fábricas e bases militares. "Como isso foi feito sem a cooperação iraquiana", questionou. Sabri ressaltou que Washington e Londres estão querendo se apossar dos campos petrolíferos do país e acusou os líderes norte-americanos e britânicos de "mercadores da guerra", que exportam o ódio a outros países. ReuniãoOntem, o presidente do Iraque, Saddam Hussein, convocou para um encontro conjunto as lideranças do partido governista Baath e o Conselho do Comando Revolucionário, principal corpo executivo do Iraque, para discutir o que a imprensa local chamou de "condições políticas". Nenhuma declaração foi divulgada após o encontro. Veja o especial sobre os Fóruns de Davos e Porto Alegre

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.