Iraque diz que só saída de Bush evitará a guerra

Em resposta a um ultimato feito pelos Estados Unidos para que o presidente do Iraque, Saddam Hussein, renuncie para evitar a guerra, o chanceler iraquiano Naji Sabri disse que quem deveria renunciar é George W. Bush, presidentedos Estados Unidos."Ele deveria partir. Deveria sair da presidência e deixar osnorte-americanos levarem uma vida normal com as outras nações, e não uma vida de agressão, uma política de agressão contra as outras nações", disse o chanceler, rejeitando a exigência norte-americana de que Saddam renuncie e vá para o exílio."Essa política resultou somente em desastres para os EstadosUnidos. Portanto, para que os Estados Unidos convivamadequadamente com o mundo e para que as nações do mundo vivam em paz, esse maluco deve partir."Sabri qualificou como lamentável a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU) de retirar seus inspetores de armas do Iraque e disse que a medida viola a própria carta da ONU."Se o secretário-geral da ONU retira os inspetores de Bagdá,isso significa que o secretário-geral abandonou sua própriaresponsabilidade de manutenção da paz e da segurança no mundo", acredita Sabri.Inflação de guerra em BagdáA despeito da retórica do governo, em questão de horas, o aluguel um carro para fugir de Bagdá para a Jordânia subiu de US$ 350 para US$ 500; o equivalente a seis meses de salário para a maioria da população. Já o preço de um fuzil AK-47 Kalashnikov aumentou de US$ 20 para cerca de US$ 500, em uma semana. O preço dos alimentos também subiu da noite para o dia. Geradores, lâmpadas recarregáveis, fitas adesivas e outros utensílios são vendidos a preço de ouro. "Este é meu último dia vendendo chá", disse Ahmed, vendedor da rua Karrada Maryam. "Não há sentido em vender chá numa rua deserta, e isso é o que será a rua nos próximos dias". Os companheiros de rua de Ahmed carregaram os produtos e pertences das lojas para casa e correram para se armar. Eles dizem que a única maneira de se proteger depois da guerra será com armas. Eles temem mais os saques do que as bombas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.