Iraque é tema central no primeiro debate Bush-Kerry

George W. Bush, presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição pelo partido Republicano, e seu adversário John Kerry, senador pelo partido Democrata do estado de Massachusetts, protagonizaram nesta quinta-feira o primeiro dos três debates a serem realizados para a presidência da república norte-americana. Cercados de regras, como a proibição de andarem pelo estúdio ou de fazerem perguntas diretamente um ao outro, os candidatos abordaram os dois assuntos previamente estabelecidos para esse encontro na Universidade de Miami: segurança interna e política externa. O Iraque tornou-se tema central já nos primeiros momentos do encontro. O senador John Kerry criticou a postura do atual presidente em relação à Guerra do Golfo ao afirmar que ?Bush cometeu um erro colossal: disse que procuraria formar uma aliança internacional, disse que iria procurar a ONU, disse que a guerra seria o último recurso, mas não foi isso o que aconteceu?. George W. Bush defendeu a ação ao mencionar o Iraque sob Saddam Hussein como país membro da ?ideologia do mal?, pelas suspeitas de produzir armas de destruição em massa. Bush ainda usou exemplos de outras investidas americanas para dimensionar o sucesso que atribui à sua filosofia: ?A Al Qaeda está sob controle, o Afeganistão está prestes a realizar eleições, Saddam está preso e a Líbia está se desarmando, o mundo é um lugar mais seguro, hoje?. Ainda sobre o tema, Kerry afirmou que bilhões de dólares estão sendo gastos num país que sequer está no centro do terrorismo internacional, o Iraque - Bush afirmara que a Guerra do Golfo era uma reação contra o terrorismo. ?Quem nos atacou foi Osama Bin Laden, que está no Afeganistão. Nós estamos no Iraque?. Segundo o senador, muito investimento na segurança interna poderia ser feito se as tropas americanas estivessem no lugar certo. Bush rebateu que tem condições de atuar nas duas frentes. ?Tiramos as armas de destruição em massa das mãos da Al Qaeda e isolamos 75% dos seguidores de Osama. Para vencermos essa guerra, temos de continuar com nossa dinâmica?, ressaltou. Sobre segurança interna, Bush apresentou estatística dizendo que triplicou os investimentos na área, mas reiterou que a melhor segurança interna, para ele, é continuar em ofensiva contra o terrorismo internacional. Os dois últimos debates acontecem em oito de outubro, em St. Louis, e cinco dias após, no Arizona.

Agencia Estado,

01 Outubro 2004 | 00h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.