Iraque emite ordem de prisão contra Ahmad e Salem Chalabi

Autoridades judiciais iraquianas expediramhoje ordem de prisão contra duas influentes personalidadesda vida publica do país. Trata-se de Ahmad Chalabi, ex-líder daoposição iraquiana no exílio e ex-membro do Conselho de Governoiraquiano, e o sobrinho dele, Salem Chalabi, advogado quetrabalha no Tribunal Especial encarregado do julgamento doex-ditador Saddam Hussein. A ordem de prisão é um novo sinal da marginalização de AhmadChalabi do centro do poder. Um antigo líder da oposição, Chalabiera um dos preferidos de muitos no Pentágono para substituirSaddam Hussein como líder do Iraque. Mas ele caiu em desgraçacom a administração Bush semanas antes do fim formal da ocupaçãoamericana em junho. "Venho lutando contra Saddam Hussein durante décadas e vousobreviver a isso", declarou ele ao tomar conhecimendo, no Irã,da decisão judicial pela televisão. Ele é acusado deenvolvimento num escândalo de lavagem de dinheiro. Quanto ao sobrinho dele, Salem Chalabi, estaria implicado numcaso de assassinato. "Meu sobrinho também ficou sabando dasacusações pela imprensa", destacou. Salem classificou as denúncias de "muito estranhas", ementrevista à rede americana de televisão CNN, de Londres. "A acusaçao contra meu tio parece muito estranha pois estarialigada a uma batida policial no escritório dele há dois meses eos agentes teriam encontrado alguns dólares falsos que lheapresentaram quando chefiava a comissão de finanças do Conselhode Governo", disse Salem. "A acusação contra mim refere-se ao fato de eu ter ameaçadoalguém com quem jamais tive contato e que acabou sendo morta",ressaltou ele na entrevista à CNN. Se considerado culpado, Salem de 41 anos, pode ser sentenciado à morte, pena reintroduzidahoje pelo governo interino. Ex-homem de confiança da CIA (Agência Central de Inteligênciados EUA), Ahmad Chalabi acabou desapontando a administraçãoamericana no Iraque, que o acusou de passar informaçõessigilosas ao Irã. Não é a primeira vez que Ahmad Chalabi tem problemas com ajustiça. Ele é procurado na Jordânia por uma condenação àrevelia em 1991 por fraude bancária. Chalabi foi sentenciado a 22anos de prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.