Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Hossein Mersadi/ AP
Hossein Mersadi/ AP

Iraque, entre dois aliados, decide em votação no parlamento se expulsa tropas dos EUA

Milícias apoiadas pelo Irã exigem que parlamentares iraquianos avaliem expulsão de 5 mil soldados americanos

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2020 | 11h55

BEIRUTE - Milícias apoiadas pelo Irã no Iraque exigiram que os parlamentares iraquianos participassem de uma sessão do parlamento neste domingo para votar a possível expulsão de tropas dos Estados Unidos do país, depois que a morte do general iraniano Qassim Suleimani colocou o país no centro de um conflito crescente entre seus dois aliados mais importantes, os EUA e o Irã. Atualmente há cerca de 5 mil soldados americanos em território iraquiano.

Dentro da sala do parlamento no domingo, os parlamentares gritaram: "América fora! Bagdá permanece livre!"

A votação representa um teste crucial para a presença de tropas americanas que têm sido fundamental na derrota do Estado Islâmico, mesmo quando poderosas facções apoiadas pelo Irã passaram a dominar o governo iraquiano.

Uma dessas milícias, o Kataib Hezbollah, ameaçou os legisladores que não compareceram à sessão ou votaram a favor de uma lei para despejar as forças americanas, chamando-os de "traidores".

Uma importante autoridade do departamento de estado no início desta semana disse que os EUA estavam trabalhando com seus aliados iraquianos para impedir a votação, caracterizando o assassinato do general Qassim Suleimani como apoio à soberania do Iraque contra o Irã.

O ataque dos EUA em Bagdá que matou o general Qassim Suleimani, um dos principais líderes paramilitares do Iraque, levantou a possibilidade de confronto direto entre os EUA e o Irã. Com seus dois principais aliados cada vez mais em desacordo, o governo iraquiano enfrenta a perspectiva de decidir se continua sendo parceiro do Ocidente ou acaba firmemente no campo iraniano.

O ataque dos EUA também colocou em dúvida a durabilidade da campanha liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico em um momento em que os militantes estão tentando se reagrupar no Iraque e na Síria depois de serem derrotados militarmente.

O Irã prometeu retaliar a morte do general Suleimani, aumentando o medo de conflitos mais amplos em toda a região, onde o comandante morto da ala estrangeira do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica cultivou uma rede de procuradores que poderiam ser ativados para atacar os interesses dos EUA.

"Dias e noites difíceis os aguardam", disse Yahya Rahim-Safavi, ex-comandante da Guarda Revolucionária e conselheiro do líder supremo aiatolá Ali Khamenei, em um discurso citado pela televisão estatal. "Os americanos devem deixar a Ásia Ocidental [o Oriente Médio] em desgraça e derrota". / DOW JONES NEWSWIRES

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.