Iraque: EUA usou as maiores armas no ataque aos rebeldes

A Força Aérea dos EUA usou algumas das armas de maior porte de seu repertório para atacar alvos no centro do Iraque, como parte de uma escalada de sanções contra fortalezas da guerrilha, informaram hoje fontes militares.Duas bombas guiadas por satélite, pesando 900 quilos cada, foram jogadas ontem à noite perto de Bagouba, a 50 quilômetros a nordeste de Bagdá, ?em campos suspeitos de serem usados para fabricação de bombas?, disse o major Gordon Tate, porta-voz da 4ª Divisão de Infantaria.Ele disse que, perto do nordeste da cidade de Kirkuk, lança-bombas despejaram bombas de 450 quilos em ?alvos terroristas?. Segundo ele, não se sabe se os ataques aéreos causaram mortos no solo. Ele disse que os ataques contínuos são parte da uma nova estratégia mais agressiva, introduzida este mês, em resposta aos insurgentes em atividades de guerrilha e a um crescimento agudo do número de baixas na forças de coalizão.Num último incidente, testemunhas disseram que rebeldes atacaram, hoje, um comboio de suprimentos ao norte de Samara. As tropas americanas responderam ao fogo, matando dois iraquianos, incluindo um adolescente. Ainda não há confirmação das forças militares americanas.Enquanto isso, um jornal de língua árabe, publicou uma declaração assinada pelo banido partido de Saddam Hussein, o Baath, dizendo que a resistência armada continuará a despeito dos planos do chefe da coalizão, Paul Bremer, de acelerar a transferência de poder aos iraquianos.A declaração, que aparece na edição de hoje da Web do jornal sediado em Londres, Al-Hayat, diz que programação para transferir a soberania aos iraquianos ?não influenciará a natureza do confronto e seu curso imposto pela resistência iraquiana?.Na cidade sulina de Diwaniyah, atiradores assassinaram um funcionário iraquiano, Hmud Kadhim, diretor-geral para a província do Ministério da Educação, segundo informações oficiais. Ele foi mortos por atiradores desconhecidos na Terça-feira e uma investigação está em andamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.