Iraque impõe condições já rejeitadas para volta dos inspetores

Em carta ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan, o Iraque informou hoje que continuará as conversações sobre o regresso dos inspetores de armas de destruição em massa ao país, mas impôs condições já rejeitadas antes. O chanceler Naji Sabri reiterou a proposta de conversações técnicas entre especialistas iraquianos e o chefe dos inspetores, nas quais eles definiriam as "questões pendentes" sobre o desarme e como resolvê-las. Sabri respondeu assim à carta enviada no dia 6 por Annan a Bagdá, na qual o secretário-geral recusara sugestão semelhante. Annan deixou claro que Bagdá tem de permitir a volta dos inspetores, sem condições, como estabelece o Conselho de Segurança da ONU. Segundo o diário inglês The Independent, o Iraque estaria disposto a aceitar os inspetores, desde que acompanhados de observadores neutros, como religiosos e sindicalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.