Iraque não fez uso de armas proibidas até agora, diz Blix

O chefe dos inspetores de armas da Organização das Nações Unidas (ONU), Hans Blix, disse que não há evidências, até agora, de que o Iraque tenha usado armas ilegais na guerra iniciada há uma semana. Blix disse ainda que não acredita que o Iraque faça uso de armas ilegais, porque isso voltaria a opinião pública mundial contra o atual regime."Até agora, nós não identificamos ou ouvimos dos aliados que qualquer material proscrito tenha sido usado", disse o chefe dos inspetores da ONU.Um porta-voz do Comando Central dos Estados Unidos no Catar disse, no entanto, que o Iraque já fez uso de "pelo menos dois" mísseis que excedem o alcance máximo de 150 quilômetros estabelecido pela ONU - um que voou 158 quilômetros e outro que viajou por 190 km.No início do ataque militar lançado pelos EUA, houve algumas declarações de que o Iraque tinha disparado mísseis Scud, que seriam ilegais, mas "isso foi mais tarde retirado", disse Blix."Eu não ouvi qualquer afirmação de que tenham sido usados mísseis proscritos", acrescentou.O comentário de Blix contradiz uma declaração do embaixador do Kuwait na ONU, Mohammad Abulhasa, que numa carta ao Conselho de Segurança afirmou que pelo menos um dos 11 mísseis disparados pelo Iraque contra o Kuwait, entre quinta-feira da semana passada e segunda-feira, era um Scud.O Iraque importou mísseis Scud-B em 1974, com um alcance de 300 km, e, mais tarde, modificou-os para aumentar o alcance para 600 km.As sanções impostas pela ONU depois de 1990 determinavam que o Iraque não poderia possuir mísseis com alcance superior a 150 km. Blix disse, num relatório apresentado no início do mês, que inspeções anteriores da ONU haviam informado que, com exceção de dois mísseis, foi feita "efetivamente" a prestação de contas de todos os demais 819 mísseis Scud-B, mas que nem todos puderam ser verificados, inclusive 14 mísseis Scud-B usados como alvo num projeto de interceptação de mísseis.Sobre as armas químicas e biológicas, Blix disse que não há indicações de que o Iraque tenha usado tais armas. "Eu penso que todos ficarão aliviados pelo fato que nenhuma arma proibida tem sido usada", disse Blix."Eu não penso que eles (iraquianos) irão fazê-lo porque... o mundo diria que eles são mentirosos e... o ceticismo sobre o conflito armado, eu penso, abriria caminho para um entendimento maior... Mas posso estar errado", disse. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.