Iraque oferece incentivo para vender petróleo

Pressionado por um provável ataque liderado pelos Estados Unidos, o Iraque começou uma ofensiva no mercado de petróleo para aumentar a exportação de óleo cru ao oferecer incentivos para os compradores, disseram fontes do mercado do leste do Mediterrâneo.Os incentivos incluem taxas baixas ou nenhuma sobretaxa e compensações indiretas para os maiores compradores se eles perderem dinheiro com uma fixação retroativa de preços que seria imposta pelas Nações Unidas. Uma fonte disse que o Iraque agora garante que, se um comprador perder, Bagdá irá compensá-lo através de algum outro negócio, principalmente ao garantir ao comprador um outro contrato que não de petróleo. Esse mecanismo deve ser o preferido de compradores chineses e russos e de outras entidades vinculadas a economias controladas pelo Estado.Na fixação retroativa, os preços das exportações de óleo cru do Iraque são estabelecidas depois que os contratos são reajustados e pagos. O comprador corre risco porque não sabe o preço exato do petróleo que está sendo reajustado. Esta determinação do preço foi criada pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido para impedir que o Iraque aplicasse uma sobretaxa ilegal no preço do barril, estimado para variar entre 15 centavos e 70 centavos de dólar.A sobretaxa garante dinheiro para o Iraque que não estaria incluído no programa "petróleo por comida" das Nações Unidas. Normalmente, toda receita de exportação de petróleo do Iraque deveria ser depositada numa conta das Nações Unidas. Fontes disseram que um outro mecanismo de "restituição" do Iraque é importar bens acima dos preços de mercado. Como as importações do Iraque estão sob supervisão das Nações Unidas, o Iraque pede aos fornecedores para colocar na conta da ONU valores acima do valor real, e retornar ao equilíbrio com Bagdá depois de um acerto de "restituições".Fontes disseram que o aumento recente das exportações de petróleo cru da Mina Al Bakr e do terminal Ceyhan da Turquia é uma indicação de que Bagdá abaixou a sobretaxa para certos compradores. Pelo menos oito petroleiros tiraram petróleo dos dois maiores terminais de exportação na semana passada, o maior número de petroleiros em quase dois meses, mostraram dados recordes das Nações Unidas na sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.