AP
AP

Iraque pede a cidadãos que vivem na Síria para voltarem

Motivo é o aumento da violência na Síria nos últimos dias

Reuters,

17 de julho de 2012 | 16h54

BAGDÁ - O Iraque pediu nesta terça-feira, 17, aos seus cidadãos que vivem na Síria para voltar para casa por causa do aumento da violência em seu vizinho, depois de a polícia dizer que dois jornalistas iraquianos foram mortos em Damasco. O gabinete iraquiano expressou preocupação com o "número crescente de incidentes de homicídio e agressão a iraquianos que vivem na Síria", disse o porta-voz do governo Ali al-Dabbagh em um comunicado.

Veja também:

link Governo usa helicópteros contra rebeldes em Damasco

link Síria está 'pronta para usar armas químicas', diz embaixador desertor

"O governo iraquiano insta-os a voltar para casa", afirmou o comunicado, acrescentando que as autoridades iraquianas fariam tudo ao seu alcance para ajudá-los a voltar. A situação da segurança no Iraque ainda é perigosa, apesar de um abrandamento na violência sectária pós-guerra, que matou dezenas de milhares de pessoas em 2006-2007.

No mês passado, pelo menos 237 pessoas foram mortas e 603 ficaram feridas em ataques de militantes no país, principalmente bombardeios, em um dos mais sangrentos meses desde que as tropas norte-americanas se retiraram, no final do ano passado.

Dezenas de milhares de iraquianos deixaram o país e foram para a Síria durante a violência sectária pós-guerra. Cerca de 87 mil iraquianos foram registrados na Síria.

O Iraque disse no começo deste mês que havia reforçado a segurança ao longo do deserto de 680 quilômetros que faz fronteira com a Síria, tornando-se a fronteira mais fortemente protegida do Iraque.

Mais cedo nesta terça-feira um oficial da polícia iraquiana disse que as autoridades sírias tinham entregue os corpos de dois jornalistas iraquianos que foram mortos em Damasco enquanto faziam uma reportagem sobre a revolta contra o presidente Bashar Assad. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.