Iraque poderá julgar americanos

Soldados ou seguranças particulares dos EUA que cometerem "atos de violência graves" no Iraque poderão ser julgados pelas leis iraquianas, caso seja aprovado um acordo que regulamenta a presença das forças americanas no país. Se aprovada, a medida só será válida para crimes cometidos no interior de instalações americanas no Iraque e quando os soldados estiverem de folga.A imunidade dos americanos no Iraque é um dos pontos mais polêmicos do acordo, juntamente com a falta de um cronograma de retirada das tropas. O fim do privilégio é uma das principais exigências do governo iraquiano, principalmente após civis terem sido mortos por agentes de segurança contratados pelos EUA.Congressistas de Washington e Bagdá estão trabalhando - até em sessões extraordinárias - para vencer os impasses e fechar o acordo. A pressa deve-se ao fato de que vence em 31 de dezembro a permissão da ONU para que os EUA permaneçam no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.