Iraque: presidente do parlamento quer novo governo na próxima semana

O presidente interino do Parlamento do Iraque, o sunita Adnan Pachachi, anunciou nesta quarta-feira que reunirá a legislatura na próxima semana com o objetivo de pressionar os xiitas para que o impasse acerca da formação de um governo de unidade nacional seja solucionado. Durante entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira, Pachachi disse que reuniria o Parlamento na segunda-feira, apesar da inconclusiva disputa sobre quem será o próximo primeiro-ministro do Iraque. Desde as eleições gerais, em 15 de dezembro, a legislatura eleita pelos iraquianos reuniu-se somente uma vez até agora, justamente para a cerimônia de posse. A retomada do trabalho depende da formação de uma coalizão de governo de unidade nacional. A recusa das minorias curdas e sunita em aceitar a indicação do xiita Ibrahim al-Jaafari emperrou o processo político. De acordo com Pachachi, líderes políticos xiitas manifestaram a esperança de apresentar uma solução antes da sessão parlamentar de segunda-feira. Apesar disso, políticos xiitas queixaram-se do agendamento da reunião antes da existência de um acordo entre os partidos para a distribuição dos principais cargos no governo, inclusive a presidência do Iraque. Por ter obtido a maior bancada no Parlamento, os xiitas têm o direito de indicar o primeiro-ministro. Pela nova Constituição, a presidência do Iraque e outros cargos são distribuídos a grupos minoritários. Violência Enquanto isso, mais de 40 pessoas morreram em episódios de violência registrados na quarta-feira no Iraque, inclusive 23 na explosão de um carro-bomba nas proximidades de uma mesquita a nordeste de Bagdá. Mais quatro soldados americanos também perderam a vida no Iraque nas últimas 24 horas. Com isso, o número de militares dos Estados Unidos mortos nos primeiros 12 dias de abril no país árabe já supera o total de baixas do mês anterior. Segundo uma contagem da agência Associated Press, as quatro mortes elevam a 2.363 o número de soldados americanos mortos no Iraque desde 20 de março de 2003, quando forças estrangeiras lideradas pelos EUA invadiram o país árabe em busca de armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas.

Agencia Estado,

12 Abril 2006 | 19h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.