Iraque realiza a 1ª eleição desde a retirada dos EUA

Os iraquianos votam neste sábado em eleições regionais em meio a um forte esquema de segurança, marcando a primeira votação desde a retirada do exército dos EUA do país. Esse será um importante teste sobre a estabilidade no Iraque.

Agência Estado

20 de abril de 2013 | 11h37

Os resultados da eleição não afetarão diretamente o governo nacional, mas serão um medidor do apoio dos vários blocos políticos nos meses que antecederão as eleições parlamentares previstas para 2014. Além disso, os resultados podem exacerbar as já graves tensões sectárias no país.

A votação deste sábado também vai testar o exército e a polícia do Iraque, que enfrentam o ressurgimento da insurgência da Al-Qaeda e estão garantindo uma eleição sozinhos pela primeira vez desde a invasão liderada pelos EUA em 2003.

Cordões de segurança foram colocados em torno dos locais de votação e apenas veículos autorizados podem circular pelas ruas das grandes cidades. Os eleitores estão marcando um dedo com tinta depois de votarem, para garantir que cada pessoa vote apenas uma vez.

No início da tarde, em horário local, Martin Kobler, representante especial da ONU para o Iraque, afirmou que o processo estava ocorrendo tranquilamente. Houve relatos de violência nas primeiras horas de votação, mas sem fatalidades, embora seis pessoas tenham ficado feridas. Morteiros atingiram as proximidades de alguns locais de votação na capital Bagdá e em outras cidades, segundo a polícia.

O vice-ministro do Interior, Adnan al-Asadi, descreveu a situação da segurança como estável. "A polícia e o exército estão espalhados por todos os lugares para garantir que o dia da eleição e os locais de votação estejam seguros. Pedimos que todos façam o seu voto, por que esse é o melhor meio de enfrentar o terrorismo", disse al-Adadi à rede de televisão estatal.

A televisão estatal mostrou autoridades do governo, incluindo o primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, depositando seus votos no Hotel Rasheed, na fortificada Zona Verde de Bagdá. A maioria xiita vem liderando a sucessão de governos no Iraque desde a deposição de Saddam Hussein e seu regime sunita, em 2003.

As eleições estão sendo realizadas em mais de 5,3 mil locais de votação para membros dos conselhos provinciais, que servirão 12 das 18 regiões administrativas do Iraque. Milhares de candidatos de 50 blocos eleitorais estão concorrendo a 378 postos. A última vez em que os iraquianos elegeram membros para os conselhos provinciais foi em janeiro de 2009.

Pelo menos 14 candidatos foram mortos nas últimas semanas e algumas escolas que seriam usadas como local de votação foram bombardeadas. Há 13,8 milhões de pessoas que podem votar nas eleições provinciais deste sábado. Os resultados devem demorar vários dias para serem divulgados. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.