Iraque registra mais de 16 mil mortes violentas em 2006

O Ministério do Interior do Iraque afirmou que 16.273 iraquianos morreram devido à violência no ano de 2006. Esse é o maior número registrado desde 2003, quando começou a ocupação do país. Entre as vítimas, estão 14.298 civis, 1.348 policiais e 627 soldados do Exército iraquiano, segundo um comunicado divulgado na noite de segunda-feira.Os números são os primeiros divulgados pelo Ministério do Interior desde o início da insurgência no país, que começou dias depois da derrubada do regime do ex-ditador Saddam Hussein, após a ocupação do Iraque, em 20 de março de 2003.Segundo analistas iraquianos, a maioria das mortes de civis foi parte da onda de violência sectária, iniciada depois do atentado de 22 fevereiro de 2006 contra um mausoléu xiita em Samarra, 125 quilômetros ao norte de Bagdá.Nas últimas 24 horas, a polícia encontrou 55 corpos com marcas de bala e sinais de tortura em diferentes bairros de Bagdá. Na noite desta segunda-feira, outros 25 corpos apareceram em locais distintos da capital.Além disso, um integrante xiita do conselho local da província de Diyala, ao norte de Bagdá, seu filho e dois de seus irmãos foram assassinados nesta segunda-feira, de acordo com fontes policiais. Ali Mayuid Salbuj era deputado da Aliança Unida Iraquiana, o bloco majoritário no Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.