Iraque retoma destruição de mísseis

O Iraque retomou hoje a destruiçãodos mísseis Al-Samoud-2, considerados ilegais pela ONU porquetêm alcance superior ao permitido em suas resoluções. Segundo oalto funcionário do Ministério da Informação Odai al-Taie, seisprojéteis estavam sendo destruídos na instalação de Al Taji. Os inspetores da ONU que acompanham a destruição dos mísseistêm ainda que confirmar a informação do governo iraquiano. Casoseja confirmada, sobe para 40 o número de mísseis Al-Samoud-2inutilizados pelo Iraque em uma semana, num total de 100. Devido ao fato de funcionários iraquianos terem trabalhado nadestruição de mísseis na terça-feira, feriado muçulmano, a ONUconcordou que eles tirassem um dia de folga ontem pararecompensar o dia trabalhado. Também neste sábado, inspetores de armas das Nações Unidasvisitaram 10 instalações iraquianas, além do complexo de AlTaji. A nova rodada de vistorias aconteceu um dia após o chefedos inspetores da ONU, Hans Blix, ao apresentar ao Conselho deSegurança um relatório atualizado sobre a situação no Iraque,ter descrito a destruição dos mísseis como uma "medidasubstancial de desarmamento", a primeira do tipo desde meadosda década passada. Um jornal iraquiano afirmou hoje que o relatório de Blix foitão positivo para o Iraque que levou Bagdá a solicitar o fim dassanções impostas pela ONU contra o país em 1991, depois daGuerra do Golfo. O embargo, de acordo com a organização mundial,só poderá ser eliminado no caso de ficar provado que o Iraque selivrou completamente de suas armas de destruição em massa e desua capacidade de produzi-las.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.