Iraque se prepara há meses para a guerra, diz chanceler

O chanceler iraquiano, Naji Sabri, afirmou neste domingo em entrevista ao canal de televisãoárabe Al-Arabiya que o Iraque vem se preparando para a guerra há meses, "como se ela fosse acontecer em uma hora".Sabri disse que o Iraque tem se preparado para essa possibilidade "porque o inimigo é traiçoeiro". "Estamos preparando nosso povo para a possibilidade da guerra há mais de um ano", disse ele durante a entrevista, feita emBagdá e assistida pela The Associated Press no Líbano.A entrevista foi ao ar no momento em que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e os primeiros-ministros de Grã-Bretanha, Tony Blair, e Espanha, José María Aznar, faziam umúltimo esforço para tentar obter a simpatia mundial para desarmar o regime de Saddam Hussein.Questionado sobre o que achou do resultado da reunião de cúpula, Sabri respondeu: "Não há dúvida de que o cenário internacional se encontra num grande impasse, envolvendo aspolíticas de Bush e Blair e o imperialismo contra o Iraque e os países árabes. Esse impasse causa constrangimentos diários devido à rejeição generalizada a essa política."Em Bagdá, o presidente do Iraque, Saddam Hussein, alertou neste domingo que, se o Iraque for atacado, haverá guerra em todos os cantos do mundo, "onde quer que haja céu, terra ouágua".A ameaça de Saddam foi feita durante encontro com comandantes e divulgada pela Agência de Notícias Iraquiana. "Quando o inimigo inicia uma guerra em larga escala, ele deve ter em mente que a batalha entre nós se abrirá em quando lugardo mundo em que haja céu, terra ou água", afirmou.Saddam aproveitou ainda para negar que o Iraque tenha em seu poder de armas de destruição em massa. "As armas de destruição em massa são por acaso uma agulha que você pode esconder noscabelos de uma mulher e os inspetores (de armas da ONU) não possam achar?", questionou. "Não há armas de destruição em massa no Iraque", garantiuSaddam.E aproveitou para ironizar: "Bem, se nos derem tempo e os meios necessários, produziremos então qualquer arma que eles queiram e os convidaremos a destruí-las."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.