Iraque: seqüestradores de alemães dão ultimato à Berlim

A rede de televisão Al-Arabiya mostrou hoje à tarde um vídeo com menos de um minuto de duração e sem som mostrando dois alemães seqüestrados recentemente no Iraque. Nele, o grupo islâmico Brigadas dos Partidários do Monoteísmo e a Sunna, que mantém os dois prisioneiros, deu hoje um "último prazo" ao governo de Berlim para que evite a execução dos reféns.No vídeo, um dos seqüestradores lia um comunicado enquanto quatro homens mascarados apareciam carregando armas automáticas na frente de um pano de cor escura. Ao mostrar as imagens, a emissora disse que os seqüestradores ameaçaram executar os dois reféns caso o governo alemão não aceite suas exigências. A televisão, no entanto, acrescentou que os seqüestradores não explicaram quais são suas exigências nem o prazo de que dispõe o governo alemão para cumpri-las.No dia 31 de janeiro os dois engenheiros alemães, seqüestrados sete dias antes, apareceram junto com seus seqüestradores num vídeo transmitido pela rede de televisão catariana Al-Jazira. Na ocasião, os seqüestradores ameaçaram matar os reféns em 72 horas se o governo alemão não fechasse sua embaixada em Bagdá, retirasse as empresas desta nacionalidade do país e suspendesse sua colaboração às autoridades iraquianas.Os dois engenheiros, René Braunlich e Thomas Nitzchke, que trabalham numa refinaria de petróleo de Beiji (180 quilômetros ao norte de Badá), foram seqüestrados num complexo residencial de Badá por homens disfarçados de agentes da Guarda Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.