Iraque tem 23 locais suspeitos

Pelo menos 23 locais no Iraque estarão na mira dos inspetores internacionais caso o Conselho de Segurança da ONU decida enviar uma missão ao país para verificar a existência de programas para a construção de armas nucleares, químicas e biológicas. A informação é do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, de Londres, que afirma ter reunido informações de ex-inspetores e de fotos de satélites que poderão servir de base para atuação da ONU. Há dois dias, os iraquianos enviaram um comunicado à ONU afirmando que aceitavam de forma incondicional a entrada de inspetores no país. Mas até agora, o Conselho de Segurança da ONU ainda não decidiu se enviará, ou não, uma missão a Bagdá. Segundo os mapas do Instituto, o Iraque possui atividades em quarto locais do país que poderiam sugerir trabalhos com armas nucleares, especialmente no oeste, próximo à fronteira com a Síria. Outras seis localidades estariam com os trabalhos interrompidos.No que se refere ao desenvolvimento de armas químicas, os estudos apontam que o Iraque estaria usando apenas uma planta, em Fallujah, para a produção desse tipo de armamento. Outros quatro locais de produção já teriam sido desativadas, todas na região de Bagdá. Sobre a produção de armas biológicas, que inclusive já chegaram a ser usadas por Bagdá na década de 80, os especialistas apontam a necessidade de realizar visitas a oito locais, principalmente em três deles onde acredita-se que ainda estejam em atividade. Um deles estaria em Fallujah, o mesmo local onde o governo de Saddam Hussein estaria preparando armas químicas. Funcionários da ONU reconhecem que, mesmo os locais supostamente já fechados desde 1998 (data da última inspeção) terão de ser visitados para confirmar que não voltaram a operar. Os funcionários internacionais ainda apontam que, além desses 23 locais, seria possível encontrar novas linhas de produção ainda não identificadas por estudos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.