Iraque: violência faz pelo menos 31 mortos e 166 feridos

Pelo menos 31 pessoas morreram e 166 ficaram feridas em atentados e ataques em diferentes regiões do Iraque nesta quinta-feira, segundo fontes consultadas pela Associated Press, mas o número pode ser maior. Na contagem da agência EFE, este total pode chegar a pelo menos 43 mortos.Os ataques mais graves, executados de forma simultânea com um carro-bomba e mísseis Katiusha no centro de Bagdá, deixaram 32 mortos e 152 feridos, disse o tenente Ahmed Abdallah. O oficial comentou que a ação foi desenvolvida por volta das 9h30 locais (2h30 de Brasília) e destruiu um edifício de três andares na avenida Al Karrada, ponto de encontro xiita.As vítimas foram levadas para vários hospitais, enquanto agentes das forças de segurança iraquiana isolaram o local atingido, onde pelo menos sete veículos sofreram danos.Em Baquba, cerca de 65 quilômetros a nordeste da capital, cinco civis morreram e sete ficaram feridos na explosão de uma bomba na principal avenida da cidade. Além disso, na região de Jarnabat, perto de Baquba, cinco soldados georgianos das tropas da coalizão multinacional ficaram feridos em um ataque de supostos rebeldes contra um posto de controle.Na cidade de Faluja, cerca de 55 quilômetros a oeste de Bagdá, a explosão de uma bomba que atingiu uma casa matou duas pessoas e feriu outras duas, todas integrantes de uma mesma família.Um oficial foi morto e um soldado iraquiano acabou ferido em dois ataques distintos na cidade de Kirkuk, cerca de 180 quilômetros ao norte da capital, segundo uma fonte da segurança local.Também nesta quinta, a explosão de uma bomba na passagem de uma patrulha policial nos arredores de Tikrit, 180 quilômetros ao norte de Bagdá, deixou dois agentes mortos e dois feridos, enquanto um atentado similar em Al Eshafi, cerca de 100 quilômetros ao sul da primeira cidade, matou um civil e feriu outros cinco.ExecuçõesEnquanto isso, 19 corpos com ferimentos de bala e sinais de tortura foram encontrados pela polícia iraquiana em diferentes regiões de Bagdá, segundo fontes do Ministério do Interior, que também afirmaram que cinco agentes de tráfego foram seqüestrados por desconhecidos no leste da capital.A onda de violência coincidiu nesta quinta-feira com o adiamento, até 16 de outubro, do julgamento contra o presidente iraquiano deposto Saddam Hussein e sete de seus colaboradores. Segundo o juiz Raouf Abdel-Rahman, a sessão será adiada para que a acusação de envolvimento dos suspeitos na execução de 148 xiitas em Dujail, ao norte de Bagdá, seja melhor analisada e estudada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.