Iraquiana é sentenciada à morte por envolvimento em atentados na Jordânia

Uma mulher iraquiana e mais seis pessoas foram condenados à morte pela justiça militar jordaniana nesta quinta-feira por envolvimento no triplo atentado contra hotéis de Amã que provocou a morte de 60 pessoas e deixou cerca de 90 feridas em novembro do ano passado.Sajida al-Rishawi, de 35 anos, é a única dos réus que está detida. Os outros seis foram julgados à revelia, inclusive outra mulher iraquiana.Pouco depois dos atentados, Rishawi admitiu na televisão pública jordaniana que pertencia a uma organização terrorista, e disse que seu cinto com explosivos falhou quando tentava detoná-lo no meio de um casamento celebrado no Hotel Radison SAS.Os ataques praticamente simultâneos foram reivindicados por Abu Musab al-Zarqawi, o falecido líder do grupo extremista Al-Qaeda no Iraque, ligado à rede extremista liderada pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden.Zarqawi também começou a ser julgado à revelia no caso, mas a justiça militar jordaniana retirou a denúncia depois de sua morte num bombardeio americano em junho no Iraque.Ainda cabe apelação ao veredicto. Os réus foram condenados à morte por enforcamento.A corte militar concluiu que Rishawi e os outros seis réus são "culpados além da dúvida razoável" de participação no pior atentado ocorrido na história moderna da Jordânia. Sessenta civis e três militantes suicidas iraquianos morreram no episódio.Matéria ampliada às 15h22

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.