Iraquianas que trabalham para os EUA são mortas

Homens armados abriram fogo contra um ônibus em Bagdá, matando duas iraquianas que trabalhavam para a coalizão que ocupa o país. Agressores no sul do país invadiram as casas e mataram uma tradutora e deixaram outra com ferimentos graves, informam a polícia e testemunhas. As mortes são parte de uma estratégia rebelde de impedir a cooperação entre iraquianos e a coalizão. Os agressores que dispararam contra o ônibus em Bagdá também detonaram explosivos dentro do veículo, matando ainda o motorista e ferindo uma terceira mulher. Mais cedo, uma mulher iraquiana que trabalhava como tradutora para as forças americanas foi morta e outra ferida gravemente quando homens armados invadiram suas casas na cidade de Mahmoudiya.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.