Iraquiano adormece e fica 'esquecido' em cidade capturada

Ao acordar para a oração, Ahmed percebeu que os habitantes deMahmur tinham sumido com a chegada do EI

MAHMUR, IRAQUE, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2014 | 02h03

Hussein Hainy Ahmed adormeceu enquanto assistia a um filme na TV e esperava a hora da oração vespertina. O ruído alto do ventilador abafou o barulho da rua. Levantou, olhou no relógio, e puxou o tapete para rezar em seu quarto mesmo. De repente, ouviu alguém chamando no alto-falante para a oração. "Nosso mulá tinha ido embora havia dois dias", conta o relojoeiro e eletricista de 62 anos. "Pensei: deve ser algum fiel chamando." Largou o tapete e saiu de casa.

Na rua, encontrou militares e caminhonetes com canhões montados sobre as carroceiras. Pensou que fossem peshmergas, os soldados curdos. "Eu achava que os peshmergas nos protegeriam e nada aconteceria em Mahmur." Um dos militares se aproximou e, falando em árabe, perguntou quem ele era. Foi então que entendeu que Mahmur, cidade de 28 mil habitantes, 40 km ao sul de Irbil, capital do Curdistão, tinha sido tomada pelo Estado Islâmico. Todos os moradores tinham fugido naquele dia 7. Menos Ahmed. "Não sou ninguém", respondeu.

"É do grupo de Massud?", insistiu o homem, referindo-se ao líder curdo Massud Barzani. "Sou do grupo de Deus", disse Ahmed. Para provar que era civil, levou o combatente a sua relojoaria, e abriu a porta com a chave que trazia no bolso. Foram então para a mesquita. Dentro, havia fuzis, metralhadoras e foguetes portáteis. E uma fila de 25 homens. "Eles vestiam as roupas usadas por paquistaneses e afegãos", lembra Ahmed, referindo-se às batas e calças largas, chamadas de shalwar-kamiz.

Ao final da oração, o homem que estava a seu lado abraçou e beijou o mulá. Sem saber o que fazer para agradar, Ahmed repetiu o gesto. O mulá perguntou quem ele era, e responderam que era o único morador que havia ficado em Mahmur. "Não me perguntaram se eu era árabe ou curdo. Sendo muçulmano, tudo bem." De acordo com o vice-prefeito de Mahmur, Rizgar Ismail, 35% dos moradores da cidade são árabes, e os restantes, curdos. Mas ambos os grupos fugiram igualmente, diante da chegada do EI.

O mulá avisou Ahmed que se alguma casa ou loja fosse saqueada ele seria responsabilizado e sua mão seria cortada. "Se souber de alguém, do nosso grupo ou não, que tenha roubado algo me avise", ordenou o mulá. Segundo Ahmed, a única loja invadida foi a de fardas e objetos militares, no mercado de Mahmur. Sempre falando em árabe, o mulá ainda lhe recomendou: "Meu filho, não saia andando por aí. Nós aqui o conhecemos. Mas outros não o conhecem", referindo-se à possibilidade de ele cruzar com outros membros do Estado Islâmico (EI) e receber um tratamento menos amistoso.

Ele voltou para casa e não saiu mais. Ao final de três dias, ouviu pesado fogo de artilharia. Eram as forças curdas retomando Mahmur. No combate, o mercado e outras áreas da cidade ficaram destruídos. A cidade continua vazia. O EI recuou a apenas 5 km de Mahmur, voltando para Gayara, a cidade de onde lançou a ofensiva.

Ashad Hamad Ali, um peshmerga da reserva, de 61 anos, acusou os moradores árabes de Gayara de apoiar o EI. Durante um mês antes de avançar para Mahmur, os jihadistas esperaram na cidade, cortaram dois terços do abastecimento de água e coletaram informações, como a quantidade de armas e a distância até a montanha, disse Ali.

Quando os jihadistas finalmente avançaram, os peshmergas levaram as mulheres e crianças a 25 km de distância e voltaram para a montanha perto da cidade. Lá esperaram até que o Partido Democrático do Curdistão (PKK), de Massud Barzani, enviou-lhes dois veículos blindados. Com ajuda dos guerrilheiros do PKK, da Turquia, partiram para a retomada da cidade. Só depois que expulsaram os jihadistas foi que aviões americanos os bombardearam, na saída da cidade, afirmaram os peshmergas. / L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.