Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Iraquiano diz que Saddam paga pela morte de americanos

O presidente deposto do Iraque, Saddam Hussein, foi visto ao norte de Bagdá e paga prêmios pela morte de soldados americanos, garantiu Ahmed Chalabi, líder do grupo de exilados Congresso Nacional Iraquiano (CNI). Saddam estaria em poder de US$ 1,3 bilhão retirados do Banco Central do Iraque em 18 de março, dedicando-se à revanche e acreditaria ser capaz de expulsar os soldados americanos, de acordo com as palavras de Chalabi.Ainda segundo o líder exilado, Saddam comprou, em 1º de abril, coletes explosivos utilizados em ações suicidas junto à Mukhabarat, a polícia secreta iraquiana durante seu regime. O líder iraquiano deposto foi visto recentemente em diversas ocasiões a nordeste de Bagdá, nos arredores do Rio Tigre, supostamente seguindo em direção a Tikrit, sua cidade natal, afirmou Chalabi. De acordo com ele, Saddam também foi visto na região de Dulaimi, a oeste do Rio Tigre.A última aparição de Saddam teria acontecido duas semanas antes de Chalabi partir para sua atual visita aos Estados Unidos. "Ele estipulou um preço pelos soldados americanos", afirma. "Ele pagará prêmios por qualquer militar americano que seja assassinado no Iraque. Agora, isso está se disseminando pelo oeste do Iraque", disse Chalabi. Ele lembrou que o número de soldados americanos mortos é de praticamente um por dia, "o que não é nada bom".Os Estados Unidos vêm ampliando o número de soldados nas áreas onde os assassinatos ocorreram. Para Chalabi, porém, os soldados americanos em seus veículos blindados "são alvos perfeitos para os terroristas". Ele sugeriu que os EUA acelerem a criação de uma força iraquiana de segurança sob comando americano. Chalabi diz que isso poderia ser providenciado em um mês e meio com a ajuda de líderes comunitários para o combate ao crime e aos membros do Partido Baath, de Saddam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.