Iraquianos deixam novo exército treinado pelos EUA

Os Estados Unidos sofreram um revés em seus esforços para criar um novo Exército iraquiano, que ajudaria nas tarefas de segurança no país, com a partida de um terço dos soldados até agora treinados, revelaram oficiais do Pentágono. Apontado como chave para o futuro do Iraque, o primeiro batalhão de 700 homens do Exército perdeu cerca de 300 soldados nas últimas semanas. Eles se preparavam para entrar em ação neste mês, disseram os oficiais."Estamos conscientes que um terço... aparentemente renunciou. Buscamos garantir que possamos recrutar e manter pessoas de alta qualidade para o novo Exército iraquiano", afirmou o tenente-coronel James Cassella, um porta-voz do Pentágono. Os motivos principais para o abandono, segundo os oficiais, seriam os baixos salários, cerca de US$ 60 mensais, e ameaças de rebeldes que têm alvejado os iraquianos que cooperan com as autoridades de ocupação.Não ficou claro se os soldados que permaneceram irão começar a desempenhar serviços, disseram os oficiais. O batalhão foi altamente celebrado quando os soldados, marchando ao som de uma banda do Exército dos EUA, completaram um curso de treinamento básico de nove semanas, no começo de outubro. Os formandos, entre eles 65 oficiais, seriam o núcleo "de um exército que irá defender o país, e não oprimir seu povo", saudou na cerimônia o administrador americano do Iraque, Paul Bremer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.