Iraquianos mortos em buscas a Saddam; novos ataques a soldados

Convencidas de que se estreita o cerco em torno de Saddam Hussein e seus mais próximos colaboradores, as forças americanas deram buscas em dois supostos esconderijos do ex-ditador em Bagdá e Tikrit. Funcionários de um hospital disseram que pelo menos cinco iraquianos morreram durante a operação em Bagdá. Ao mesmo tempo, no centro da capital iraquiana, testemunhas disseram que pelo menos três soldados americanos ficaram feridos em um ataque contra seu comboio. Outras testemunhas asseguraram que os soldados morreram. O comando do exército de início não confirmou as mortes. As testemunhas disseram que os três soldados foram lançados para fora de um jipe militar ao explodir uma bomba quando o comboio passava pela rua Palestina, no centro de Bagdá. Em Tikrit, as forças americanas encontraram esconderijos de armas perto de um edifício abandonado que antes pertencia à milícia Fedayin, liderada por um dos filhos de Saddam. As armas, segundo militares, eram suficientes para abastecer guerrilheiros durante um mês. Ao mesmo tempo, iraquianos contratados pelos americanos começaram a demolir a mansão onde os filhos de Saddam, Uday e Qusay, foram mortos em uma operação das forças dos EUA na semana passada. O exército dos EUA não confirmou inicialmente a operação de busca no domingo à noite em uma residência do elegante bairro de Mansur, na capital iraquiana. Testemunhas disseram que os soldados entraram atirando na casa do príncipe Rabiah Muhammed al-Habib, um dos mais influentes líderes tribais do Iraque. O príncipe não se encontrava em casa no momento da invasão Os soldados dispararam contra automóveis e um grupo de pessoas que se aproximaram da mansão, disseram as testemunhas. Funcionários dissseram que pelo menos cinco iraquianos morreram no episódio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.