Irene avança pelo Caribe e ganha força

O furacão Irene transformou-se na noite desta segunda-feira em uma tormenta de categoria 2 na escala Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5. Os ventos máximos sustentados de Irene chegavam a 160 quilômetros por hora e o olho do furacão deslocava-se a 17 quilômetros por hora no sentido oés-noroeste, segundo o mais recente boletim do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Agência Estado

22 de agosto de 2011 | 22h07

A tempestade ganhava força à medida que avançava pelo Caribe e hoje à noite provocava fortes chuvas e ventanias em Porto Rico. O olho do furacão encontrava-se pouco ao norte da República Dominicana e, pela trajetória calculada pelos meteorologistas, poderia atingir o sudeste dos EUA no fim da semana com força de furacão.

Irene é o primeiro furacão a formar-se no Atlântico na temporada deste ano. Segundo as projeções, Irene dirige-se agora em direção às Bahamas e a expectativa é de que ganhe ainda mais força e se transforme em um furacão de categoria 3, com ventos de 184 quilômetros por hora.

Durante o dia, mais de 1 milhão de pessoas em Porto Rico ficaram sem energia elétrica por conta da passagem do furacão Irene, que derrubou árvores e inundou ruas nesta segunda-feira.

Não há informações sobre mortos ou feridos graves em Porto Rico, mas o governador Luis Fortuno declarou estado de emergência e pediu à população que permaneça em suas casas para evitar as linhas caídas de transmissão de energia, as ruas inundadas e outros perigos. "Não é hora de sair e descobrir o que aconteceu...é hora de ficar em suas casas", disse Fortuno em coletiva de imprensa. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
AtlânticofuracãoIrene

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.