Irene matou 11 e deixou milhões sem eletricidade

A tempestade tropical Irene atravessa a região da Nova Inglaterra na noite de hoje, após ter se enfraquecido na manhã de hoje e ter atravessado o Estado e a cidade de Nova York sem provocar maiores prejuízos ou deixado vítimas. A tempestade, contudo, deixou 936.101 casas e empresas sem eletricidade no Estado de Nova York hoje, incluindo mais de 461 mil em Long Island, informou o governador de Nova York, Andrew Cuomo.

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2011 | 19h31

No total, Irene matou 11 pessoas na sua passagem pelos EUA, que começou na madrugada de ontem. Quase todas as vítimas morreram no Estado da Carolina do Norte, o mais afetado, onde os prejuízos podem ter chegado a US$ 400 milhões, de acordo com a Eqecat Inc., uma empresa que simula custos de desastres para as seguradoras. No começo da semana passada, Irene matou outras três pessoas, duas quando passou pela República Dominicana e uma em Porto Rico.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um comunicado na noite de hoje e alertou que os efeitos da tempestade ainda serão sentidos por alguns dias. "Embora a tempestade tenha se enfraquecido no momento em que vai para o norte, permanece perigosa e continua a provocar muita chuva". Obama, que falou ao lado da secretária de Segurança Interna dos EUA, Janet Napolitano, no Jardim da Rosas da Casa Branca, disse que as autoridades estão preocupadas com possíveis enchentes e com a falta de eletricidade nos próximos dias.

"Ainda falta muito para acabar, mas acho que é seguro dizer que o pior da tempestade, pelo menos até e incluindo Nova York e Nova Jersey, passou", disse Napolitano. Ela afirmou ainda que Obama pediu às autoridades que continuem a ser agressivas em seus esforços para lidar com Irene e suas consequências. O furacão foi rebaixado hoje para tempestade tropical com ventos de 104 km/h. Muitas áreas, incluindo a cidade de Nova York, parecem ter escapado com menos prejuízos do que esperado inicialmente.

Eletricidade

Outras 150 mil pessoas estavam em sem eletricidade em Massachusetts, disse Scott MacLeod, porta-voz da Agência de Gerenciamento de Emergência do Estado. Em Connecticut, foi reportada a morte de uma pessoa, uma mulher idosa, que faleceu após um incêndio em sua casa provocado pela queda de um cabo de eletricidade. Um idoso que vivia com a mulher sobreviveu e foi levado ao hospital.

Alguns aeroportos na costa leste americana foram reabertos. Mais de seis mil voos foram cancelados ontem e hoje. O Aeroporto Internacional de Baltimore retomava hoje lentamente suas atividades, a partir das 10h20, com um voo da American Airlines para Miami. A Autoridade Aeroportuária Metropolitana de Washington informou que os dois aeroportos que atendem à capital, Reagan e Dulles, estavam abertos e não tiveram "danos maiores" com as tempestades de ontem.

Mais da metade dos seis mil voos cancelados ocorreu nos três aeroportos que atendem Nova York, o John F. Kennedy, LaGuardia e Newark Liberty. Os voos serão retomados na manhã de amanhã, disse Andrea Huguely, porta-voz da empresa aérea American Airlines. Mais cedo hoje, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, retirou o aviso de saída dos moradores das regiões baixas da cidade de Nova York, o que permitirá nas próximas horas a volta das 370 mil pessoas afetadas. As bolsas de valores de Nova York disseram que terão um pregão normal amanhã, embora tenham manifestado alguma preocupação com o fato dos transportes públicos de Nova York ainda não terem voltado ao funcionamento na noite de hoje.

Em Nova Jersey, 400 mil pessoas estavam sem eletricidade na noite de hoje, disse o governador Chris Christie. Ele afirmou que os prejuízos decorrentes da passagem do furacão podem chegar a US$ 1 bilhão. Na Carolina do Norte e no norte do Estado da Virginia, mais de 1 milhão de pessoas também estavam sem eletricidade na noite de hoje.

Prejuízos nas Carolinas

O furacão Irene pode ter causado até US$ 400 milhões em prejuízos para as seguradoras após sua passagem pelas Carolinas, de acordo com uma empresa que realiza simulações dos custos de desastres naturais, a Eqecat Inc. A companhia estimou que a passagem do Irene pela Carolina do Sul e Carolina do Norte provocou prejuízos entre US$ 200 milhões e US$ 400 milhões. Os dois foram os primeiros Estados norte-americanos a serem atingidos pelo Irene ontem, antes de o furacão virar uma tempestade tropical.

Embora expressivos, os danos estimados para o Irene são pequenos quando comparados ao prejuízo provocado para a indústria de seguros após a passagem do furacão Floyd, a mais cara tempestade a atingir a Carolina do Norte, que em 1999 provocou perdas de US$ 1,4 bilhão. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IreneprejuízosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.