Irlanda do Norte prende 3 suspeitos de matar soldados

A polícia prendeu três supostos dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA, nas iniciais em inglês) neste sábado, entre eles um conhecido membro do grupo. O trio é suspeito de envolvimento na morte de dois soldados britânicos no dia 7, em um ataque com a intenção de desestabilizar a Irlanda do Norte.

AE-AP, Agencia Estado

14 de março de 2009 | 14h31

A polícia informou que os detidos têm 21, 32 e 41 anos. As prisões ocorreram na zona católica de Lurgan, uma cidade bastante polarizada a sudoeste de Belfast, e na vila de maioria católica de Bellaghy, a noroeste. Um detetive identificou o mais velho dos suspeitos como Colin Duffy, o mais famoso republicano irlandês em Lurgan, que a polícia identificou como membro do IRA quando o grupo concordou com um cessar-fogo em 1997. Os dissidentes agora tentam minar essa trégua. O detetive falou sob condição de anonimato, pois a polícia local não está autorizada a identificar os detentos antes de haver qualquer acusação formal.

Duffy foi condenado pela morte de um ex-soldado em Lurgan em 1993, porém libertado três anos depois, quando uma testemunha-chave do processo contra ele foi identificada como membro de uma gangue protestante proscrita.

Duffy voltou à prisão um ano depois, após a polícia identificá-lo como o homem que cometeu os dois últimos homicídios do IRA antes do cessar-fogo, contra dois policiais protestantes, em Lurgan, em junho de 1997.

O caso contra Duffy não avançou após uma testemunha-chave mais uma vez apresentar um problema - dessa vez a testemunha sofreu um colapso nervoso e retirou suas acusações. Dois anos depois, extremistas protestantes assassinaram a advogada de Duffy, Rosemary Nelson. O caso ainda é investigado e há suspeitas inclusive de envolvimento de policiais.

A prisão de Duffy neste sábado parece ser um desafio político para o Sinn Fein, partido ligado ao IRA que atualmente é a principal voz irlandesa nacionalista no governo de união da Irlanda do Norte. O principal membro do Sinn Fein na coalizão, o vice-primeiro-ministro Martin McGuinness, denunciou no início desta semana os dissidentes do IRA como "traidores" e apoiou a perseguição aos responsáveis. Porém anteriormente o Sinn Fein já defendeu Duffy, afirmando que ele era inocente e uma vítima de conspirações britânicas. O Sinn Fein ainda não comentou as prisões. McGuinness está viajando neste sábado para os Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Irlandaprisãoassassinatos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.