Irlanda faz referendo para endurecer leis de aborto

Um referendo que busca endurecer ainda mais as já rígidas leis antiaborto da Irlanda foi convocado para nesta quarta-feira, em um dia marcado pelo mau tempo, a chuva e a confusão entre os cerca de 2,8 milhões de eleitores. A lei contra o aborto na Irlanda é a mais restritiva da União Européia (UE), mas o resultado do plebiscito desta quarta-feira pode torná-la ainda mais rígida.Os eleitores devem responder a uma questão complexa e aprovar ou rejeitar uma emenda constitucional cujo principal efeito, no caso de vitória do "sim", será colocar na ilegalidade a interrupção da gravidez mesmo que esteja em jogo a saúde mental da mãe.Uma sentença da Suprema Corte da Irlanda proferida em 1992 havia reconhecido como legítimo o aborto terapêutico em caso de risco à vida da mãe. O tema é controvertido, e o projeto de lei tem vocabulário confuso. Uma pesquisa publicada pelo jornal Irish Times demonstrou que apenas 17% dos eleitores compreendia plenamente o alcance da consulta popular.A votação ocorreu nesta quarta-feira, entre as 9 e as 21h locais. A contagem dos votos será realizada nesta quinta. Os resultados definitivos são esperados para a tarde desta quinta-feira. As más condições de tempo dificultaram o acesso dos eleitores aos locais de votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.