Irlanda investigará sacerdotes acusados de abuso sexual

O governo irlandês nomeará um advogado para investigar as acusações de abuso sexual cometido por sacerdotes católicos no sudeste da Irlanda, anunciou o ministro da Saúde na quinta-feira, depois de se reunir com mais de uma dúzia de homens e mulheres que relataram ter sido vítimas de tais abusos quando crianças.Michael Martin divulgou o anúncio depois de discutir comas vítimas de abuso sexual planos de realização de um inquéritopleno sobre os escândalos que vêm ocorrendo na Igreja Católica.O membro de gabinete revelou que George Birmingham, um dosprincipais advogados da Irlanda, terá três meses para apresentaros resultados das investigações - o que, por sua vez, poderiadeterminar uma investigação maior, por um júri.Ativistas representando as vítimas de abuso sexual, queestavam em pé ao lado de Martin, declararam-se satisfeitos com amedida. "Esse é o melhor meio de atingir o que todos nósdesejamos - a verdade total sobre o que teria levado a Igreja aproteger os autores dos abusos durante tanto tempo, e os motivospelos quais nenhuma outra autoridade interveio no caso",declarou Colm O´Gorman, um dos participantes da reunião, quealegou ter sofrido abusos sexuais durante anos, nas mãos doreverendo Sean Fortune.Fortune suicidou-se em 1999, pouco antes da época em quedeveria ser submetido a julgamento por 66 acusações de termolestado e violado meninos durante quase duas décadas.Também nos EUA um sacerdote católico que era alvo deinvestigações por ter molestado sexualmente uma menina morreu na quinta-feira, aparentemente em conseqüência do ferimento causado pelo disparo de arma de fogo que ele próprio teria feito.O padre Don A. Rooney, de 48 anos, cujo desaparecimentofora relatado por autoridades eclesiásticas na véspera, foiencontrado por um oficial da polícia, debruçado sobre o própriocarro, no estacionamento de uma farmácia de Hincley, pouco antes do anoitecer. Ele foi levado de helicóptero a um centro médico de Cleveland, cidade próxima, mas morreu ao chegar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.