Irlanda pede formalmente ajuda financeira à UE e FMI

O primeiro-ministro da Irlanda, Brian Cowen, disse neste domingo que seu governo pediu formalmente ajuda à União Europeia (UE) e ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Em entrevista coletiva em Dublin após uma longa reunião ministerial, Cowen disse que os países da zona do euro concordaram em dar assistência ao país com o objetivo de salvaguardar a estabilidade financeira da região e da UE como um todo.

Agência Estado

21 de novembro de 2010 | 19h52

O ministro de Finanças irlandês, Brian Lenihan, disse que a ajuda seria um programa conjunto da UE com o FMI e acrescentou que o Reino Unido e a Suécia também estão prontos para conceder empréstimos bilaterais à Irlanda. Um elemento central do programa será uma "reestruturação profunda" do setor bancário irlandês.

O pedido formal de ajuda abre caminho para o segundo socorro da zona do euro a um de seus membros este ano; em maio, a Grécia recebeu um pacote emergencial de 110 bilhões de euros.

O tamanho da ajuda à Irlanda ainda é negociado, juntamente com as condições, mas o montante pode aproximar-se dos 100 bilhões de euros, segundo uma fonte. O pacote incluirá recursos para fechar o déficit fiscal do governo e também para salvar o setor bancário. Analistas dizem que o país pode precisar de pelo menos 80 bilhões de euros para convencer os mercados financeiros de que conseguirá manter sua solvência. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrlandacriseEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.