Irlandeses celebram 90 anos do Levante da Páscoa

Mais de 2,5 mil militares irlandeses, alguns a bordo de tanques e outros marchando a pé e carregando baionetas, celebraram neste domingo os 90 anos do Levante da Páscoa. A rebelião fracassada contra as autoridades do Reino Unido ocorreu na Páscoa de 1916. O levante, que levou à proclamação da República da Irlanda, foi a mais contundente tentativa de tomar o controle do território por parte dos republicanos e conquistar a independência. O premiê Bertie Ahern, a presidente Mary McAleese e centenas de descendentes de rebeldes que participaram do levante de 1916 acompanharam a parada militar na Rua O´Connell, a principal de Dublin. Ali encontra-se a Agência Geral de Correios, quartel-general da insurgência daquela Semana Santa. Neste domingo, bandeira irlandesa foi erguida a meio pau, e um oficial do Exército deu o grito de independência que, em 24 de abril de 1916, foi dado pelo líder Padraig Pearse. Historiadores asseguram que a população não apoiou a proclamação de maneira contundente, e que muitas pessoas aproveitaram a ocasião apenas para realizar saques. Em poucas semanas, os rebeldes foram presos e executados pelo governo do Reino Unido. O levante é considerado um marco no esforço dos republicanos de se tornar independentes da coroa britânica. Apesar de seu fracasso, a insurgência lançou as bases de um processo que levou à emancipação parcial, em 1921, e total, em 1937. Também neste domingo, na vizinha Irlanda do Norte, a polícia abriu fogo contra um veículo em um posto de patrulha, matando o motorista do carro. Outros três homens e duas mulheres que estavam no carro foram presos. O incidente ocorreu em Ballynahinch, a cerca de 30 quilômetros da capital, Belfast. A polícia não explicou porque seus oficiais abriram fogo contra o veículo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.