Irmã de senadora assassinada é detida como suspeita na Colômbia

A irmã da senadora assassinada Martha Catalina Daniels foi detida por indícios de que poderia ter sido a autora intelectual da morte da congressista, informou a Procuradoria. No entanto, a família da senadora nega essa hipótese comindignação. As autoridades estão investigando a responsabilidade de Sandra Daniels no homicídio de sua irmã, ocorrido em 2 março, quando a legisladora aparentemente se dirigia para um local onde pagaria um vultoso resgate aos guerrilheiros para a libertação de um político seqüestrado. Uma porta-voz da Procuradoria, que não quis ser identificada, afirmou na segunda-feira que estão sendo investigados possíveis vínculos da irmã da vítima com a guerrilha. As autoridades encontraram uma carta da senadora Daniels na qual esta revelava um suposto vínculo entre Sandra Daniels e o comandante da Frente 22 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e com o próprio chefe militar desta guerrilha, conhecido por seu apelido. "El Mono Jojoy", explicou a porta-voz. A procuradoria também deteve José Gabriel Caballero como possível autor material do assassinato da congressista. A senadora Martha Catalina Daniels foi assassinada junto com duas outras pessoas em uma zona rural a oeste de Bogotá. Os três cadáveres foram encontrados com tiros na cabeça no município de Zipacón, a 60 km a noroeste de Bogotá. Daniels, uma polêmica congressista do opositor Partido Liberal, morreu junto com seu motorista Carlos Lozano e Ana María Medina, esposa de Mauricio Rodríguez Anzola - um político provinciano supostamente seqüestrado pelas Farc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.