Irmandade diz que não imporá valores islâmicos no Egito

A Irmandade Muçulmana, que surge como o maior vencedor no primeiro turno das eleições parlamentares do Egito, busca garantir aos egípcios que não vai sacrificar a liberdade pessoal com a promoção da lei islâmica.

Agência Estado

04 de dezembro de 2011 | 10h33

O vice-chefe do novo partido político da Irmandade, Essam el-Erian, disse à Associated Press em entrevista por telefone no sábado que o grupo não está interessado em impor os valores islâmicos no Egito, onde existe uma minoria cristã e pessoas que são contra se sujeitarem aos duros códigos islâmicos.

"Representamos um partido moderado e justo", disse el-Erian sobre o seu partido Liberdade e Justiça. "Queremos aplicar o básico da lei Shariah de uma maneira justa, que respeite os direitos humanos e pessoais", completou ele, referindo-se à lei islâmica.

A declaração é a mais clara indicação de que a Irmandade está se distanciando do ultraconservador Partido Nour, que parece ter conquistado a segunda maior votação na primeira fase da eleição.

O Partido Nour apoia uma interpretação estrita do Islã, como a que é vista na Arábia Saudita, onde existe segregação de sexos e as mulheres são obrigadas a usar véus e não podem dirigir. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoirmandadevalores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.