Irmandade domina 2º turno de votação

Partido moderado diz ter conquistado 36 das 54 cadeiras em disputa; seculares adotam 'voto útil' contra radicais

CAIRO, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2011 | 03h06

O Partido Justiça e Liberdade, braço político da Irmandade Muçulmana, anunciou ontem ter vencido o segundo turno da primeira fase das eleições parlamentares no Egito. Segundo pesquisas de boca de urna, eleitores seculares adotaram o voto útil e escolheram os candidatos do bloco islâmico moderado para conter o crescimento dos salafistas do Partido Al-Nur.

Segundo levantamento feito pela legenda, seus candidatos conquistaram 34 dos 45 assentos disputados por candidatos individuais no segundo turno da primeira etapa. O Al-Nur ficou com 4. No primeiro turno, quando os eleitores votaram em listas fechadas, a Irmandade teve 37% dos votos, contra 24% dos salafistas e 13% do Bloco Egípcio, a principal agremiação secular.

A primeira etapa de votação ocorreu em 9 das 27 províncias egípcias, mas foi realizada em centros urbanos importantes, como o Cairo e Alexandria. No primeiro turno, a participação foi alta, de 52%. No segundo, foi mais baixa.

A próxima etapa da eleição ocorre entre 14 e 22 de dezembro, e a última, entre 3 e 11 de janeiro. Só então serão conhecidos todos os membros do Parlamento.

Concessão. Sob pressão popular para acelerar a transição de poder para os civis, a junta militar egípcia outorgou ontem mais poderes ao primeiro-ministro Kamal Ganzouri. Os militares, no entanto, permanecerão no comando das Forças Armadas e do Judiciário. O premiê, um antigo aliado do ex-ditador Hosni Mubarak, deposto em março, também anunciou seu novo gabinete.

Por meio de um decreto, os generais alteraram as atribuições da junta, que governa o país desde fevereiro, e repassaram para Ganzouri alguns poderes executivos que antes eram de Mubarak. No novo gabinete, o primeiro-ministro procurou também acalmar os manifestantes, nomeando um novo ministro do Interior, o general Mohammed Ibrahim Yussuf. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.