Amel Pain/Efe
Amel Pain/Efe

Irmandade Muçulmana anuncia que terá 46% do Parlamento do Egito

Grupo islâmico banido durante o governo de Hosni Mubarak ficará com 232 cadeiras

Reuters

13 de janeiro de 2012 | 15h13

CAIRO - A Irmandade Muçulmana vai controlar quase metade dos assentos do primeiro Parlamento egípcio eleito depois que uma insurreição derrubou o ex-presidente Hosni Mubarak no ano passado, de acordo com uma projeção divulgada pelo grupo nesta sexta-feira, 13.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

Colocando em evidência a profunda mudança no Egito depois da queda de Mubarak, o grupo islâmico banido durante o governo do líder deposto ficará com 232 cadeiras - ou 46% - da câmara baixa depois da eleição iniciada em novembro e que agora se aproxima do fim.

 

O Partido Nour, mais linha-dura e que defende a aplicação rigorosa da lei islâmica, terminou com 113 assentos (23%), dando o controle de mais de dois terços da casa a islâmicos de diferentes posições, de acordo com os números.Um porta-voz do Partido Nour, de doutrina salafista, apresentou um resultado ligeiramente diferente, com 120 assentos para o seu partido.

 

Os resultados, que refletem um padrão observado desde o início da votação, foram divulgados na página do Facebook do Partido da Liberdade e Justiça (PLJ), o braço político da Irmandade. Eles se baseiam nos resultados da última rodada de votação.

 

Embora a Irmandade pareça agora preparada para ter um peso maior no governo do país mais populoso do mundo árabe, os generais do Exército que assumiram em fevereiro o poder que estava nas mãos de Mubarak devem governar até o fim de junho.

 

Até lá, o Egito deverá ter um presidente eleito seguindo o cronograma estabelecido pelo conselho militar. A Irmandade disse que não disputará a Presidência. "Indicações dos resultados finais das eleições: 'Islâmico Islâmico'", dizia a manchete da capa do Al Masry Al Youm de sexta-feira, um dos jornais mais lidos do Egito.

 

Capazes de se organizarem com as redes comunitárias antigas e das mesquitas, os islâmicos tiveram melhores condições para desfrutar da liberdade política surgida depois da queda de Mubarak.

 

Os assentos remanescentes no Parlamento serão divididos entre liberais, independentes, políticos ligados à era Mubarak e outros grupos, incluindo os que tiveram participação no início da revolta contra Mubarak, de acordo com a projeção do PLJ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.