Irmandade Muçulmana convoca mais protestos após mortes no Egito

Ao menos 51 pessoas morreram ontem quando o Exército abriu fogo contra partidários de Morsi

O Estado de S. Paulo,

09 de julho de 2013 | 12h13

A Irmandade Muçulmana do Egito e seus aliados islâmicos convocaram para esta terça-feira, 9, depois que 51 pessoas foram mortas no Cairo nesta segunda-feira, quando o Exército abriu fogo contra partidários do presidente deposto Mohamed Morsi.

Partidários de Morsi culpam os militares por abrir fogo contra eles do lado de fora do complexo da Guarda Republicana, onde acredita-se que esteja o ex-presidente islâmico deposto pelos militares na quarta-feira. O Exército afirmou que abriu fogo em resposta a um ataque contra seus soldados.

"Em protesto contra o golpe militar que foi seguido por ações repressivas, que teve como auge o massacre da Guarda Republicana ocorrido na madrugada, apelamos a todos os cidadãos e pessoas honradas a protestar na terça-feira no Egito", disse um porta-voz da coalizão liderada pela Irmandade Muçulmana, Hatem Azam, em entrevista coletiva.

O presidente interino egípcio, Adly Mansour, colocado pelos militares em substituição do islamita Mohammed Morsi, formou uma comissão judicial para investigar as mortes. Segundo o Exército, suas forças responderam a um ataque de desconhecidos com armas de fogo./ REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.