Irmandade Muçulmana é legalizada no Egito

Partido, que anunciou seu caráter não teocrático para disputar eleições, era proibido desde 1954

Agência Estado

07 de junho de 2011 | 15h09

CAIRO - A Irmandade Muçulmana foi declarada ontem como um partido político legal no Egito pela primeira vez, informou a agência estatal Mena. O movimento foi fundado há oito décadas. "A comissão sobre assuntos partidários deu sua aprovação para a formação do Partido Liberdade e Justiça", afirmou a agência.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Arquivo: A era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

A Irmandade Muçulmana era oficialmente ilegal, mas em alguma medida tolerada durante o governo do presidente Hosni Mubarak, deposto em uma revolta popular em 11 de fevereiro. O grupo islâmico foi estabelecido em 1928 e havia sofrido uma proibição oficial em 1954.

 

Como o mais bem organizado movimento político no Egito, a Irmandade Muçulmana anunciou em 30 de abril a formação de um "partido não teocrático" para disputar as eleições parlamentares em setembro. No mês passado, o Partido Liberdade e Justiça anunciou que tinha quase nove mil membros fundadores. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.