Irmandade Muçulmana rejeita acusação de terrorismo contra Mursi

A Irmandade Muçulmana denunciou nesta quinta-feira como "risíveis" as acusações de terrorismo e conspiração com grupos estrangeiros imputadas pelas autoridades egípcias contra o ex-presidente Mohamed Mursi e outros ativistas islâmicos.

Reuters

19 de dezembro de 2013 | 10h59

Além disso, a Irmandade reiterou o apelo para que todos os países pressionem o Egito a libertar Mursi, um dia depois de um promotor ordenar que ele e outros 35 dirigentes da Irmandade sejam submetidos a julgamentos que podem resultar inclusive na pena de morte.

O promotor declarou que esse é "o maior processo de conspiração na história do Egito", e detalhou um "plano terrorista" que remonta a 2005 e envolveu o grupo palestino Hamas, o governo xiita do Irã e seu aliado libanês, a milícia Hezbollah.

A data do julgamento ainda não foi marcada.

Em nota divulgada em Londres nesta quinta-feira, a Irmandade rejeita as acusações como sendo "um novo episódio dos crimes do golpe militar contra o povo egípcio".

Mursi, presidente eleito democraticamente, foi derrubado por militares em 3 de julho, e desde então os partidários da Irmandade vêm sendo reprimidos pelo governo instalado pelos militares.

(Reportagem de Yasmine Saleh)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOMURSITERRORISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.