Irmão de Assad comanda repressão a rebeldes na Síria

Soldados se preparam para enfrentar rebeldes em cidade no norte do país, diz ativista

Agência Estado

08 de junho de 2011 | 14h46

BEIRUTE - Milhares de soldados dos comandos de elite do Exército da Síria, liderados por Maher Assad, irmão do presidente sírio Bashar Assad, rumam nesta quarta-feira, 8, para o norte do país a fim de esmagar insurgentes na cidade de Jisr al-Shughour, na província de Idlib, da qual Damasco parece ter perdido o controle. Centenas de refugiados atravessaram a fronteira para a Turquia, e um ativista sírio, Mustafá Osso, afirma que viu tanques e veículos blindados rumando na direção norte.

 

Veja também:

especialA revolução que abalou o Oriente Médio

 

O governo sírio movimentou seu exército para o norte após confrontos com insurgentes e supostos soldados amotinados terem deixado 120 policiais e agentes de segurança mortos em Jisr al-Shughour na terça-feira. Muitos corpos dos policiais foram mutilados e jogados no rio Assi.

 

Os relatos levantam a possibilidade de mais violência na Síria, onde os protestos contra o governo Assad começaram em meados de março e mais de 1.300 pessoas foram mortas. A província de Idlib fica na fronteira montanhosa com a Turquia, país que afirmou que manterá a fronteira aberta para receber refugiados.

 

 

Em Jisr al-Shughour, onde o governo afirma que "grupos armados" mataram os 120 policiais, escolas, mesquitas e igrejas abriram suas portas para os moradores que queiram se refugiar nos locais, enquanto as tropas do governo avançam, informou um morador de um vilarejo próximo à cidade. Segundo o morador, que se identificou apenas com um apelido, "Abu Nader", muita gente preferiu fugir para a Turquia. Segundo ele, um ataque do exército é iminente.

 

 

O ativista sírio Mustafá Osso, que permanece no país, disse que muitas testemunhas lhe disseram que milhares de soldados são deslocados para Idlib e que muitas das tropas são da temida 4ª divisão, comandada pelo irmão mais novo do presidente, Maher. Ele também comanda a Guarda Republicana, cujo principal trabalho é proteger o regime. Acredita-se que Maher tenha tido um papel de destaque na repressão às revoltas na Síria, principalmente em Deraa, no sul do país.

 

"O número de soldados que avançam é de milhares", disse Osso. Ele especula que o governo planeja uma "batalha decisiva" contra os insurgentes no norte. O Al-Watan, jornal governista sírio, disse que o exército lançou uma operação "muito delicada", com o objetivo de "evitar baixas" em Jisr al-Shughour.

 

Não existe como confirmar de maneira independente os relatos dos acontecimentos na Síria. O governo controla a mídia local e a maioria dos jornalistas estrangeiros que estavam no país foi expulsa. Já os ativistas afirmam que os combates em Jisr al-Shughour ocorrem entre tropas leais ao governo e soldados amotinados, muitos dos quais são da província de Idlib e se recusam a reprimir protestos dos seus conterrâneos.

 

Jisr al-Shughour fica a 20 quilômetros da fronteira turca. A agência estatal de notícias da Turquia, a Anatólia, disse hoje que 122 refugiados sírios cruzaram a fronteira, escapando para o vilarejo de Karbeyazi, que fica próximo à cidade fronteiriça de Altinozu. Autoridades turcas afirmam que no total 350 refugiados sírios estão na região, enquanto outros 30 estão sob tratamento em hospitais locais. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.