Los Angeles Police Department / AP
Los Angeles Police Department / AP

Irmão de atirador de Las Vegas é preso sob acusação de posse de pornografia infantil

Polícia estabeleceu uma fiança de US$ 60 mil e divulgou uma foto de Bruce Paddock, caso alguma vítima queira denunciá-lo; segundo imprensa local, ele tem um longo histórico de crimes, incluindo incêndios criminosos e roubo

O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2017 | 02h53
Atualizado 26 Outubro 2017 | 09h03

LOS ANGELES - O irmão do responsável pelo pior massacre com arma de fogo na história recente dos EUA foi detido sob suspeita de posse de pornografia infantil, informou a polícia.

+ Atirador de Las Vegas armazenou armas por décadas e planejou ataque, dizem autoridades

Bruce Paddock, irmão de Stephen Paddock, foi preso na manhã de quarta-feira 25 em Los Angeles, informou a porta-voz da polícia, Norma Eisenman.

+ Três milhões de americanos transportam uma arma diariamente

Ela explicou que o homem de 58 anos enfrenta acusações de pornografia infantil em razão de uma investigação, que começou antes do massacre que deixou 58 mortos e centenas de feridos em Las Vegas.

Os resultados da investigação foram apresentados à Justiça, que o denunciou por posse de mais de 600 fotos de pornografia e exploração infantil. Foi estabelecida uma fiança de US$ 60 mil e uma foto dele foi divulgada, caso alguma vítima queira denunciá-lo.

Bruce Paddock tem, segundo a imprensa local, um longo histórico de crimes, que inclui incêndios criminosos e roubo. As primeiras evidências que levaram à sua detenção foram encontradas depois que ele foi desalojado de uma loja que tinha invadido.

"Paddock não tinha endereço fixo e não havia sido possível localizá-lo", indicou a polícia, que realizou a investigação junto ao FBI (Polícia Federal americana) e outras agências federais.

Seu irmão, Stephen, disparou contra uma multidão que assistia a um show de música country em Las Vegas no dia 1.º de outubro. Seu pai já esteve na lista dos mais procurados do FBI no fim dos anos 1960, após escapar da prisão onde cumpria pena por assalto a banco. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.