AP/arquivo
AP/arquivo

Irmão do presidente afegão tem relações com CIA, diz 'NYT'

Segundo jornal, Ahmed Wali Karzai seria responsável por recrutar paramilitares para a agência de inteligência

estadao.com.br,

28 de outubro de 2009 | 07h59

Ahmed Wali Karzai, irmão do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, recebeu pagamentos nos últimos oito anos da CIA (agência de inteligência americana), apesar de ser considerado um dos principais responsáveis pela proliferação do tráfico de ópio no país, informa nesta quarta-feira, 28, o site do jornal The New York Times. Ahmed Wali Karzai negou as afirmações do jornal, dizendo que as acusações são "ridículas".

 

Veja também:

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

especialEspecial: As principais ações suicidas a serviço do terror

 

Segundo o jornal nova-iorquino, que cita funcionários do atual e do anterior governo americano, a CIA pagou por diversos serviços prestados pelo irmão do presidente afegão, também envolvido em escândalos imobiliários, que ele negou sempre. Ahmed Wali teria colaborado para recrutar forças paramilitares que trabalharam sob comando da CIA na região da qual procede a família Karzai, a província de Kandahar.

 

Os laços da CIA com Ahmed Karzai, que é suspeito de participar do comércio ilegal de ópio, criou grandes discórdias entre os integrantes do governo Obama, segundo o New York Times. As suspeitas de que Ahmed Karzai está envolvido no comércio de drogas circula há meses em Cabul. Ele nega as acusações.

 

Críticos dizem que os laços com Ahmed Karzai complicam o tenso relacionamento dos Estados Unidos com seu irmão mais velho, o presidente Hamid Karzai. As práticas da CIA também sugerem que o governo norte-americano não está fazendo tudo o que pode para reprimir o lucrativo comércio de drogas no Afeganistão, que é a principal fonte de renda para o Taleban.

 

Embora ele seja considerado um mediador com facções favoráveis aos taleban, a CIA evitou comentar o assunto com o jornal. "Eu trabalho com os norte-americanos, com os canadenses, com os britânicos, qualquer um que pedir ajuda. Eles (a CIA) fazem seu próprio recrutamento. Eu não faço ideia de onde eles conseguem seus recrutas. Isso é absolutamente ridículo", disse o irmão de Karzai.

 

Alguns funcionários norte-americanos argumentam que a confiança em Ahmed Karzai, figura central no sul do país, onde o Taleban domina, prejudica as ações norte-americanas para a construção de um governo central efetivo que possa manter a lei e a ordem e permitir a retirada dos Estados Unidos do país.

 

Segundo o jornal, Ahmed ajuda a CIA a administrar um grupo paramilitar Força de Ataque de Kandahar, que é usado em ataques contra insurgentes e terroristas, de acordo com vários funcionários norte-americanos. Karzai também seria pago para permitir que as tropas das operações especiais da CIA e dos Estados Unidos aluguem um grande complexo fora da cidade, onde também está localizada a base da Força de Ataque de Kandahar, diz o jornal. Além disso, Ahmed Karzai ajudaria a CIA a se comunicar e, às vezes, reunir-se com afegãos leais ao Taleban.

 

Os afegãos vãos ás urnas no dia 7 de novembro no segundo turno das eleições presidenciais entre Hamid Karzai e seu oponente, o ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah. A votação foi decidida depois que auditores, apoiados pela ONU, desconsideraram quase um terço dos votos dados a Hamid Karzai no pleito de 20 de agosto, o que reduziu o porcentual conquistado pelo presidente para menos do que o necessário para um vitória no primeiro turno.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.