AP
AP

Irmãos e pai do terrorista que agiu em Manchester são presos

Ismael Abedi e Hachem Abedi foram detidos como parte da investigação do atentado; polícia também prendeu um homem com uma faca perto do Palácio de Buckingham

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2017 | 09h20
Atualizado 24 Maio 2017 | 14h51

LONDRES - Um dos quatro detidos após o atentado ocorrido na cidade inglesa de Manchester na segunda-feira é irmão do terrorista suicida Salman Abedi, informou nesta quarta-feira, 24, a imprensa local.

Trata-se de Ismael Abedi, de 23 anos, o primeiro detido na terça-feira pelos agentes no sul de Manchester como parte da investigação. O ataque ocorreu ao término de um show da cantora pop americana Ariana Grande, quando o autor do massacre detonou um explosivo caseiro e matou pelo menos 22 pessoas, além de ferir outras 64, entre elas muitas crianças.

Outro irmão de Abedi foi preso na véspera em sua casa em Trípoli, na Líbia, segundo uma fonte da família que não quis se identificar. Hachem Abedi, nascido em 1997 no Reino Unido, foi preso pela Força de Dissuasão, uma milícia leal ao Governo líbio de União Nacional (GNA) instalado em Trípoli, informou a fonte. De acordo com a agência de notícias France-Press, citando forças de seguranças líbias, este irmão do agressor sabia do plano para a realização do ataque.

O pai do agressor também foi preso em Trípoli, indicou o porta-voz da Força de Dissuasão. "O pai Ramadan Abedi acaba de ser preso", disse ele.

O corpo policial de Manchester deteve nesta manhã três pessoas no sul dessa cidade, pelo possível envolvimento no atentado, como parte da pesquisa sobre o ocorrido. A polícia, que não revelou oficialmente a nacionalidade, idade ou identidade dos presos, realizou as detenções após fazer revistas em em locais e casas nessa região da cidade.

A rede britânica BBC afirmou que Abedi usou para acometer o atentado um artefato explosivo fabricado por outras pessoas, o que reforçaria a suspeita de que o suicida pertencia a uma rede terrorista mais ampla.

A ministra britânica de Interior, Amber Rudd, disse nesta quarta-feira que "parece provável" que Abedi não atuou sozinho e acrescentou que o terrorista, nascido em Manchester e com pais líbios, era conhecido "até certo ponto" pelos serviços secretos britânicos.

Perante a possibilidade que ele fizesse parte de uma célula terrorista, o governo de Londres decidiu elevar ao mais alto nível a ameaça terrorista contra o Reino Unido, o que significa que outro ataque pode ser iminente. Ainda de acordo com a imprensa britânica, Abedi, de 22 anos, teria retornado recentemente de uma viagem que fez a Líbia.

Buckingham. Um homem com uma faca foi detido nesta quarta-feira nas imediações do Palácio de Buckingham em Londres, informou a Polícia Metropolitana da cidade (Met), que, por sua vez, descartou que o incidente estivesse relacionado com terrorismo.

Um porta-voz da Scotland Yard revelou que o homem, que já foi levado para as dependências policiais, foi algemado e detido às 10h40 locais (6h40 de Brasília) após ser visto portando uma arma branca ao lado do muro de segurança que cerca o palácio, residência oficial da rainha Elizabeth II.

"As forças da ordem detiveram hoje um homem no The Mall portando uma faca", afirmou um porta-voz da polícia. "Não há nenhum ferido e a faca foi recuperada. O homem foi levado para uma delegacia no centro de Londres. Acreditamos que o incidente não está relacionado com terrorismo", acrescentou a fonte.

Hoje, a tradicional cerimônia de troca da guarda no palácio de Buckingham foi cancelada, e o Parlamento de Westminster foi fechado ao público após o atentado de segunda-feira em Manchester. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.