AP
AP

Irmãos Muçulmanos tem 7 de seus dirigentes detidos no Egito

Segundo fontes do movimento, as detenções ocorreram na sede da organização política

Efe,

28 de janeiro de 2011 | 04h49

Pelo menos sete dirigentes do grupo Irmãos Muçulmanos - que tem grande influência religiosa na sociedade e na política egípcia - foram detidos nesta sexta-feira no Cairo, horas antes dos protestos políticos convocados para depois das orações do meio-dia, confirmaram fontes do movimento.

Veja também:

especialInfográfico: A revolução que abalou o mundo árabe

mais imagens Galeria de fotos: Os protestos no Egito e na Tunísia

blog Blog: Gustavo Chacra analisa a crise

As detenções ocorreram na sede da organização política, que mesmo sendo considerada ilegal é de certa forma tolerada pelo regime de Hosni Mubarak, no poder desde 1981.

As fontes não descartaram que possam ter acontecido outras detenções em domicílios particulares e em outros escritórios do movimento.

A organização Irmãos Muçulmanos é uma das que apoiam os protestos públicos que eclodiram na última terça-feira no Egito contra o regime de Mubarak.

Espera-se que hoje, dia festivo no mundo árabe, as manifestações convocadas tenham as mesmas proporções.

Até o momento, os protestos deixaram sete mortos, dezenas de feridos e centenas de detidos.

Apesar de terem sido avisados de que seriam detidos se participassem das manifestações, membros da Irmãos Muçulmanos se infiltraram entre os manifestantes, segundo o Ministério do Interior egípcio.

Tudo o que sabemos sobre:
egitogrupoIrmãos Muçulmanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.