Irritado, Clinton nega ter sido negligente no combate ao terrorismo

Em entrevista ao programa Fox News Sunday , o ex-presidente Bill Clinton defendeu a sua administração da ameaça imposta por Osama bin Laden, dizendo ter mandado matar bin Laden. Bil Clinton vem sendo atacado por não ter conseguido evitar os ataques de 11 de Setembro, que aconteceram oito meses depois do término do seu mandato. "Essa é a diferença entre eu alguns, incluindo todos os de direita que me atacam agora", disse Clinton na entrevista. "Eles me ridicularizaram por tentar. Eles tiveram oito meses para tentar, eles não tentaram". Clinton acusou o apresentador Chris Wallace de "trabalho de bater nos conservadores", e então perguntou: "quero saber a quantas pessoas da administração Bush vocês perguntaram, ´por que você não fez nada sobre o Cole?´ Quero saber a quantas pessoas você perguntou ´por que você demitiu Dick Clarke:´" Ele se referia ao navio de guerra americano USS Cole, atacado por terroristas na costa do Iêmen em 200, e sobre um ex-chefe antiterrorismo da Casa Branca, Richard Clarke. Wallace disse neste domingo ter ficado surpreso com a "visão conspiratória" de Clinton, sobre uma "pergunta que não buscava o confronto, ´você fez o suficiente para ligar os pontos e ir atrás da Al Qaeda?´" "Tudo o que fiz foi perguntar uma questão, e acho que foi uma pergunta legítima da imprensa. Fiquei surpreso por ele considerar como um trabalho de bater", disse Wallace em entrevista por telefone.Clinton disse ter "trabalhado muito" para tentar matar bin Laden. "Contratamos pessoas para matá-lo. Cheguei mais perto de matá-lo do que qualquer outra pessoa desde então", afirmou. O ex-presidente disse a Wallace, "e você tem esse sorrisinho na sua cara e acha que é tão esperto, mas eu tive a responsabilidade de tentar proteger este país. Eu tentei e falhei em pegar bin Laden. Eu lamento isso, mas tentei e fiz tudo que eu achei que eu achei que pude com responsabilidade".A entrevista foi gravada na sexta-feira durante a conferência de Iniciativa Global de Clinton.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.